Nesta seção o profissional terá condições de estudar com maior profundidade os assuntos abordados sobre ETHERNET INDUSTRIAL.

EFEITO CORONA E O CABO TELDOR AUTO-SUSTENTÁVEL - SELF-SUPPORT OPTICAL CABLE- VÃOS DE 70 METROS

publicado em 10/09/2011 - 14:26:43hs

CABOS ÓPTICOS AUTO SUSTENTÁVEIS (SELF-SUPPORT OPTICAL CABLE) E O EFEITO CORONA

 

 

 

O efeito Corona é também conhecido como fogo de Santelmo. O efeito corona é um fenômeno relativamente comum em linhas de transmissão com sobrecarga. Devido ao campo elétrico muito intenso nas vizinhanças dos condutores, as partículas de ar que os envolvem tornam-se ionizadas e, como consequência, emitem luz quando da recombinação dos íons e dos elétrons. O nome Fogo de Santelmo vem de Santo Elmo, padroeiro dos marinheiros, e surgiu quando antigos marinheiros observavam navios com os mastros envolvidos por uma tênue luz. A superstição cuidou de transformar esse fenômeno em aparição divina. Posteriormente, porém, observou-se que tal aparição ocorria principalmente nas regiões tropicais, em condições que precediam tempestades. As nuvens eletrizadas induziam cargas nas pontas dos mastros, produzindo o efeito corona.

 

 

  O efeito corona aparece na superfície dos condutores de uma linha aérea de transmissão quando o valor do gradiente de potencial aí existente excede o valor do gradiente crítico disruptivo do ar. Mesmo em um campo elétrico uniforme, entre dois eletrodos planos paralelos no ar, umas séries de condições controlam essa tensão disruptiva, tais como a pressão do ar, a presença do vapor d’água, o tipo de tensão aplicada e a fotoionização incidente. No campo não uniforme em torno de um condutor, a divergência do campo exerce influencia adicional, e qualquer partícula contaminadora, como poeira, por exemplo, transforma-se em fonte pontual de descargas.

 

 

Descargas elétricas em gases são geralmente iniciadas por um campo elétrico que acelera elétrons livres aí existentes. Quando esses elétrons adquirem energia suficiente do campo elétrico, podem produzir novos elétrons por choque com outros átomos. É o processo de ionização por impacto. Durante a sua aceleração no campo elétrico, cada elétron livre colide com átomos de oxigênio, nitrogênio e outros gases presentes, perdendo, nessa colisão, parte de sua energia cinética. Ocasionalmente um elétron pode atingir um átomo com força suficiente, de forma a excita-lo. Nessas condições, o átomo atingido passa a um estado de energia mais elevado. O estado orbital de um ou mais elétrons muda e o elétron que colidiu com o átomo perde parte de sua energia, para criar esse estado. Posteriormente, o átomo atingido pode reverter ao seu estado inicial, liberando o excesso de energia em forma de calor, luz, energia acústica e radiações eletromagnéticas. Um elétron pode igualmente colidir com um íon positivo, convertendo-o em átomo neutro. Esse processo, denominado recombinação, também libera excesso de energia.

Toda a energia liberada ou irradiada deve provir do campo elétrico da linha, portanto, do sistema alimentador, para o qual representa perda de energia, por conseguinte, prejuízo. Essas perdas e suas consequências econômicas tem sido objeto de pesquisas e estudos há mais de meio século, não obstante, só recentemente se alcançaram meios que permitem determinar, com razoável segurança, qual o desempenho que se poderá esperar para as diversas soluções possíveis para uma linha de transmissão, no que diz respeito a essas perdas.

 

 

De um modo geral, elas se relacionam com a geometria dos condutores, tensões de operação, gradientes de potencial nas superfícies dos condutores e, principalmente, com as condições meteorológicas locais. Constatou-se, por exemplo, que as perdas por corona em linhas em tensões extra elevadas podem variar de alguns quilowatts por quilometro até algumas centenas de quilowatts por quilometro, sob condições adversas de chuva ou garoa. As perdas médias, como se verificou, podem constituir apenas pequenas partes das perdas por efeito joule, porém as perdas máximas podem ter influencia significante nas demandas dos sistemas, pois a capacidade geradora para atender a essa demanda adicional deverá ser prevista ou a diferença de energia importada.

 

 

 

Tanto as perdas com tempo bom como aquelas sob chuva dependem dos gradientes de potencial na superfície dos condutores. As perdas sob chuva dependem não só do índice de precipitações, como também do número de gotículas d’água que conseguem aderir à superfície dos condutores. Esse número é maior nos condutores novos do que nos usados, nos quais as gotas d’água aderem mais facilmente à geratriz inferior dos condutores.

 

 

As linhas aéreas de transmissão de energia elétrica há muito tem sido considerada como causadoras de impacto visual sobre o meio ambiente em que são construídas. Uma espécie de poluição visual que os conservadores, urbanistas e estetas há muito vem combatendo. O advento da transmissão em tensões extra elevadas e as perspectivas de transmissão em tensões ultraelevadas enfatizaram dois outros tipos de perturbação do meio, provocados pelo efeito corona, sendo-lhes atribuído também caráter de poluição: A radio interferência (RI) e o ruído acústico (RA).

 

 

Descargas individuais de corona provocam pulsos de tensão e corrente de curta duração que se propagam ao longo das linhas, resultando em campos eletromagnéticos em suas imediações. Essas descargas ocorrem durante ambos os semiciclos da tensão aplicada, porém aquelas que ocorrem durante os semiciclos positivos é que irradiam ruídos capazes de interferir na radio recepção nas faixas de frequência das transmissões em amplitude modulada (AM), em particular nas faixas das ondas médias. Eflúvios de corona também ocorrem em outros componentes das linhas, tais como ferragens e isoladores, porem a intensidade dos ruidos gerados é bastante inferior à dos gerado pelos condutores. Ferragens defeituosas, pinos e contra pinos mal ajustados ou soltos podem igualmente gerar pulsos eletromagnéticos. Estes, no entanto, ocorrem nas faixas das frequências de "FM" e "TV", provocando interferência ou ruídos nas recepções de "FM" e "TV" (TVI).

 

 

A geração desses ruídos interfere com os direitos individuais dos moradores das vizinhanças das linhas de transmissão, uma vez que os ruídos se podem propagar além das faixas de servidão das linhas. Ainda não é possível projetar-se economicamente uma linha de transmissão aérea em tensões acima de 100 KV e que não produza radio interferência. Não obstante, critérios corretos e atenção aos aspectos relevantes do projeto podem produzir um sistema que resulte pelo menos em níveis aceitáveis de perturbação. O estudo do comportamento das linhas no que se refere a "RI” é bastante complicado em virtude dos inúmeros fatores que afetam seu comportamento, muitos dos quais ainda são indefinidos e nem mesmo completamente entendidos, de forma que os efeitos cumulativos são considerados em bases estatísticas.

    

 

Nos projetos de pesquisa sobre corona em tensões extra e ultraelevada verificou-se, igualmente, que outra manifestação sua não mais poderia ser descurada nas linhas de 500 KV ou tensões mais elevadas, dado o caráter de poluição ambiental que apresenta. É a poluição acústica causada pelo ruído característico provocado pelos eflúvios do corona. Esse aspecto também vem merecendo crescente atenção no dimensionamento das linhas, a fim de que o grau de perturbação seja mantido em níveis aceitáveis. Tais estudos mostraram que o ruído auditivo é função dos máximos gradientes de potencial na superfície dos condutores.

 

 

Em vista do exposto, pode-se concluir que, para as linhas de transmissão em tensões extras e ultraelevadas, o dimensionamento econômico das linhas está diretamente relacionado com a escolha do gradiente de potencial máximo admissível na superfície dos condutores das linhas de transmissão. Gradientes para uma mesma classe de tensão somente são reduzidos mediante o emprego dos condutores de diâmetros maiores, ou maior espaçamento entre fases, ou pelo emprego de condutores múltiplos, com número crescente de subcondutores, ou pela forma com que são distribuídos sobre o circulo tendo como centro o eixo do feixe. Alternativamente, vem sendo pesquisados outros métodos para a redução da radio interferência e ruídos audíveis, como a colocação de espinas ao longo dos condutores ou o seu envolvimento em capas de neoprene. A disposição dos subcondutores em forma de polígono irregular também vem sendo investigada como meio de reduzir os gradientes de potencial, e parece ser a forma mais promissora: é possível encontrar uma posição para cada subcondutor na periferia de um circulo, de forma que a gradiente em todos os subcondutores seja mínima. O emprego dos condutores múltiplos assimétricos tem apresentado problemas de estabilidade mecânica sob ação do vento, e a melhor solução sob esse aspecto poderá conflitar com a melhor solução sob esse aspecto poderá conflitar com a melhor solução sob o aspecto de distribuição de gradientes de potencial.

 

  

 

Tensile Calculation and design formula for Self-supporting fiber optic cable

 

 

Calculation of Tension on a fiber optic cable is a little bit difficult process for an optical fiber cable design engineer. The tensile strength (T) of an all dielectric self-supporting and other type of self-supporting cables can be calculated by using the following formula and conditions;

 

· Sag under normal conditions 0,5m.

· Wind pressure 700Pa.

· Maximum temperature 55°C.

· Minimum temperature -6°C.

· Pole spacing 70m.

· T will be calculated from the following formula:

 

 

Where:

T1 = Installation tension with no wind (N)

T = Resultant tension under worst load (N)

w = Mass of cable (kg/m)

g = Gravitational acceleration (9.81 m/sq. seconds)

L = Span length between poles (m)

S = Sag of cable with no wind (m)

E = Modulus of elasticity of strength member (MPa)

a = Cross sectional area of strength member (sq.mm)

k = Coefficient of linear expansion of strength member (/°C)

t1 = Temperature at which T is calculated (°C)

t = Temperature at which T1 is calculated (°C)

P = Wind pressure (Pa)

D = Projected area per meter of cable (sq.mm)

F = Shape factor (0.6 for round cable)

 

Tensile test conditions for an optical fiber self-supporting cable

 

Fiber optic cable length under test shall be minimum 70m. Terminate both end of the fiber optic cable under test which is 70-m long with a thimble type, pre-formed wrap around termination clamp.

 

Anchor the one end, while applying the load T Maintain the Tensile load for 10minutes while measuring the fiber elongation.

 

During the duration of the test, the fiber elongation which is measured in terms of strain shall not exceed 0.20%. The fiber optic cable shall not suffer any permanent damage during the test. The outer sheath of the fiber optic cable shall be thoroughly examined for any cracks or damages.

 

Creep test

The fiber optic cable sample used in the tensile test must be used and the test set-up may be the same.

 

Apply a load Tc = (T + T1)/2, where Tc = Creep Tension.

 

 

 

 

 

 

 

 

Como sugestão apresentará o modelo de cabo TELDOR para vãos de 70 metros, considerando o SAG de 0,7% com PART NUMBER F902040612B.

Este modelo é composto de 06 tubos LOOSE TUBE contendo 04 fibras monomodo por tubo totalizando 24 fibras. Na sua construção todas as fibras são protegidas e reforçadas com kevlar e também bloqueada contra umidade e água “waterblocking”.

Sendo muito importante nestas aplicações soma-se uma capa externa confeccionada em polietileno de alta densidade HDPE resistente à extrema de temperatura, impacto, torsão e raios UV.   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PARA VISITAS TÉCNICAS E ESPECIFICAÇÕES ENTRE EM CONTATO COM A PANTOJA ENGINEERING & CONSULTANT - ETHERNET INDUSTRIAL - TREINAMENTO E CONSULTORIA LTDA

PELO TELEFONE +551192090662 OU PELO E-MAIL contato@pantojaindustrial.com .

 

 DISTRIBUIDOR AUTORIZADO PARA O TERRITÓRIO NACIONAL -  DIMENSIONAL EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS LTDA.

 

 

Rua Leandro Castelar, 404/418

Jardim Piratininga - CEP: 13484-322

Fone: (19) 3446-7400 / Fax: (19) 3446.7465

Email: crc@dimensional.com.br

 

NOVA SEDE DIMENSIONAL EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS LTDA .

TODOS OS DIREITOS DE IMAGEM RESERVADOS A DIMENSIONAL MATERIAIS ELÉTRICOS LTDA - SONEPAR GROUP .